terça-feira, 2 de agosto de 2016

Configurando o Slackware 14.2 pós-instalação


Logo após feita a instalação do Slackware 14.2 devemos fazer uma série de configurações e personalizações, pois o mesmo vem com muito poucos programas instalados por padrão e para deixar o mesmo mais prático de utilizar no dia a dia e todos os programas aqui citado foram instalados e configurados ao terminar o processo de instalação ondo o mesmo foi instalado a partir de uma ISO de 2.8 GB gravada em DVD onde foi desmarcado ou deixado desmarcado em categoria somente os itens KDE e Tetex que não era de meu interesse, e escolhendo em tipo de instalação o modo FULL (mais recomendado para iniciantes no Slackware) onde não será instalado nenhum pacote do KDE e Tetex sendo usando por padrão o desktop Xfce que é muito versátil, prático e configurável e bastante leve cuja esta instalação ocupou o espaço em disco de 6.8 GB.

Por padrão no Slackware não é criado um usuário comum no processo de instalação é ao entrar no sistema você entrará diretamente no console no qual você utilizará sua senha de root criada na instalação pra ter acesso ao sistema.

Criando um usuário comum

Ao iniciar o sistema instalado pela primeira vez você, você entrará diretamente no modo console fazendo o seu login de root, mas antes de iniciar o ambiente gráfico que é permitido mesmo estando logrado como root vamos criar um usuário comum.

# adduser fernando  (exemplo de nome de usuário comum sem privilégio de administrador)

Apenas confirme sempre teclado Enter e não digite nada para expiração, telefone etc..

Agora devemos criar a senha do usuário fernando.

#  passwd fernando

Concluído vamos sair do console de root digitando o comando exit para fazer login como fernando e iniciar o desktop gráfico padrão.

# exit

Digite seu nome de usuário fernando e tecle Enter
Digite a senha do seu usuário e tecle Enter.

$ startx (iniciando o seu desktop padrão Xfce)

Será exibida uma pequena janela de aviso, escolha a opção Usar configuração padrão (2 painéis, recomendado para iniciantes, mas tarde você pode modificar para 1 painel se assim o desejar).

Alterações no sistema como root no terminal

Para poder fazer alternações no sistema devemos quase sempre abrir uma janela de terminal e torna-se root na mesma usando o comando su pois o Slackware não vem com o sudo habilitado como padrão.

Configuração do teclado para o modo texto real

A configuração do teclado para o modo texto e feita por um programa diferente do modo gráfico, se você não configurou o teclado durante a instalação que é somente para o modo texto real (fora do X Window) pode fazer agora editando o arquivo /etc/rc.d/rc.keymap 
# nano rc.keymap 
#!/bin/sh
# Load the keyboard map.  More maps are in /usr/share/kbd/keymaps.
if [ -x /usr/bin/loadkeys ]; then
 /usr/bin/loadkeys us.map
fi

Troque us.map por br-abnt2.map no próximo boot o mesmo será carregado automaticamente.
Se precisar usar de imediato é só usar o comando loadkeys br-abnt2 deste que você esteja logrado como root no terminal fora do X Window, pois a configuração feita pelo loadkeys do teclado não funciona dentro do modo gráfico.

Configuração do teclado no Xfce

Para configurar o teclado no menu de programas acesse Configurações/Gerenciador de configurações/Teclado guia Disposição.

Para o teclado brasileiro tipo ABNT2 faça:

Desmarque usar padrão do sistema
Modelo de teclado selecione: PC genérico de 104 teclas.
Em disposição do teclado, selecione o atual que tiver listado e clique em Editar e escolha: Português do Brasil caso não esteja nesta disposição.




Mudando o runlevel do sistema

O Slackware por padrão inicia no modo texto no runlevel 3 (modo texto com suporte ao X) e para iniciar o seu desktop gráfico padrão basta digitar o comando startx no console.

No modo gráfico abra uma janela de terminal e torna-se root para poder fazer alterações no sistema
$ su (digite a senha de root)

Para iniciar diretamente no modo gráfico, onde será usado o xdm como padrão para login você deve alterar o arquivo /etc/inittab localizando a linha id:3:initdefault:

# nano -w /etc/inittab
Troque o 3 por 4 ficando conforme abaixo

# Default runlevel. (Do not set to 0 or 6)
id:4:initdefault:

Ao reiniciar o computador você agora entrará diretamente no login gráfico ao invés do modo texto.

Corrigindo o bug do comando dmesg de não funcionar como usuário comum

$ dmesg
dmesg: leitura de buffer de kernel falhou: Operação não permitida

# chmod +s /bin/dmesg


Para deixar o ambiente gráfico em português do Brasil 

# nano -w  /etc/profile.d/lang.sh 

Procure a seguinte linha: export LANG=en_US
Substitua por: export LANG=pt_BR.UTF-8

Ao sair da sessão atual do X Window ou reiniciar o seu computador agora o desktop Xfce estará no idioma do português do Brasil.

 Alterar o nome do computador

# nano -w /etc/HOSTNAME

O nome padrão configurado é darkstar.example.net, sendo que o hostname mesmo é somente darkstar.
Altere a parte somente até o primeiro . (ponto) mudando para mesa como exemplo, ficando então mesa.example.net.
Agora quando você reiniciar o computador o hostname será mesa.

$ hostname
mesa

Habilitando o sudo no Slackware

Passos:
- Criar o grupo sudo no arquivo /etc/group
# groupadd sudo

- Editar o arquivo /etc/group 
# nano -w /etc/group 

- Adicionar o seu nome de usuário ao grupo sudo para o mesmo ter permissão de usar o sudo.
sudo:x:1000:fernando

- Editar o arquivo /etc/sudoers e descomentar a linha #%sudo ALL=(ALL) ALL devendo ficar conforme abaixo

## Uncomment to allow members of group sudo to execute any command
%sudo ALL=(ALL) ALL

Reinicie o computador para entrar em efeito caso necessário.

Nota:
Mesmo habilitado o sudo você sempre usara sua senha de root nas aplicações gráficas que requer privilégio administrador quando executadas a partir do menu de programa, mas se for usando o comando sudo “programa” no terminal poderá executá-las com a senha do seu usuário que estiver no grupo sudo, como exemplo o gparted.


PATH do administrador root

Se você habilitou o comando sudo, deverá colocar no path do sistema para o usuário comum os diretórios /usr/sbin e /sbin que são exclusivos do administrador do sistema, pois se não o fizer terá que sempre especificar o caminho completo do comando ao usar o sudo, pois você está numa janela de terminal como usuário comum sem privilégios de administrador com final de prompt $.
Exemplo:
$ sudo /sbin/shutdown

Para facilitar as coisas edite o arquivo /etc/profile usando o editor nano com o flag -w ou use o editor leafpad caso você baixou o mesmo da internet.

# Set the default system $PATH:
PATH="/usr/local/bin:/usr/bin:/bin:/usr/games"

Acrescente na linha PATH acima os diretórios /usr/sbin e /sbin devendo ficar conforme abaixo.
PATH="/usr/local/bin:/usr/bin:/bin:/usr/games:/usr/sbin:/sbin"

Ao reiniciar o computador o path adicionado será sempre carregado.

Para listar o path atual, digite o comando na forma abaixo.
$ echo $PATH

Para incluir um path na sessão atual sem reiniciar o computador execute o comando abaixo:
$ PATH=$PATH:/usr/sbin:/sbin

Personalizando o terminal

No seu diretório HOME de usuário crie o arquivo oculto .bashrc copiado as linhas abaixo e cole-as.

$ nano -w ~/.bashrc

export PS1='\u@[\W]\$ '
export PAGER=/usr/bin/most
export EDITOR='/usr/bin/nano -w'

if [ -f ~/.bash_aliases ]; then
. ~/.bash_aliases
fi

Nota:
Na linha export PS1='\u@[\W]\$ ' foi configurado um prompt mais prático que exibira o seu nome de usuário e o nome do seu computador e também o nome do diretório atual.

O editor nano será usando como padrão para editar o crontab e sempre usara o flag -w para editar os arquivos pois em arquivos importantes do sistema não pode haver quebra de linhas longas que ultrapasse a tela, pois se isto acontecer seu sistema pode não funcionar corretamente nos casos de arquivos de configuração do sistema.
O editor nano na minha opinião é o melhor editor de console para Linux, o mesmo fica em português do Brasil, pode-se fazer verificação de ortografia através do mesmo mas tem que configurar para isto e tem uma série de recursos uteis.

Configurando alias úteis

No seu diretório HOME de usuário crie o arquivo oculto .bash_aliases com o conteúdo abaixo:
$ nano .bash_aliases
alias bkp='cd /mnt/dados' (minha partição de bkp)
alias cp='cp -v' (exibir os nomes dos arquivos copiados)
alias ls='ls --color=auto -F' (exibir colorido nomes de diretórios, executáveis, links, etc...)
alias mv='mv -v'       (exibir os nomes dos arquivos movidos ou renomados com o mv)
alias df='df -hT' (exibir em KB, MB, GB, TB conforme a capacidade)


Repita os mesmos procedimento no diretório root, obviamente estando logrado como root no terminal usando o comando su para isto.
Um detalhe no prompt para o root use: export PS1='\u@[\W]\# '

Configurando as teclas multimídias de volume no Xfce

No Slackware as teclas multimídias não vem habilitadas por padrão no Xfce e para habilitar as teclas multimídias de volume + - e mudo no menu de programas acesse Configurações/Gerenciador de configurações e escolha o ícone do Teclado, guia Atalhos de aplicativos.

Clique no botão Adicionar e para a tecla de volume+  digite comando:  amixer set Master 5%+ após clique em OK, na janela seguinte você só tem que pressionar a tecla de volume+ que o atalho é criado.

Repita os mesmos passos no ícone Teclado para as teclas de volume- e mudo.

Para o volume- o comando é amixer set Master 5%- e na janela seguinte pressione a tecla volume-.
Para o mudo o comando é amixer set Master toggle e na janela seguinte pressione a tecla de mudo (ícone de um alto-falante com risco em cima).

Pronto, agora você pode aumentar, diminuir e deixar mudo pelas teclas de volume o som que está sendo reproduzido.
A cada pressionada na mesma tecla de volume+ ou volume- o som aumenta ou diminuir 5%.




Gerenciador de pacotes 

O Slackware vem como padrão com o gerenciador de pacotes em modo texto slackpkg que particularmente não fornece quase nada de informações do pacote no repositório para baixar ou que já está instalado, podemos então baixar o slapt-get pelo navegador firefox e instalar o mesmo onde este gerenciador fornece muitas informações sobre os pacotes para baixar ou que já está instalado, além de permitir usar vários mirrors no arquivo de configuração e resolvendo as dependências e podendo até adicionar repositórios de outras distros baseada no Slackware de mesma versão mas neste caso faça por sua conta e risco pois pode haver conflito com algum pacote padrão do sistema principalmente em pacotes de configurações e drivers, já que algumas distro pode fazer algumas personalizações nestes pacotes.

Acesse o site http://software.jaos.org/ e baixe o pacote de acordo com a sua versão e arquitetura do sistema.
Após basta acessar o diretório onde está o pacote fazer:
$ sudo installpkg slapt-get-versão.tgz
$ sudo slapt-get -update (baixar a lista de pacotes mais recente disponível no mirror configurado)

Slackbuilds

O site do Slackbuilds em https://slackbuilds.org/ fornece centenas de pacotes para o Slackware onde a grande maioria não existe nos repositórios oficiais do Slackware, onde os mesmos deverão ser compilados antes de instalar no sistema, e para facilitar as coisas utilizaremos o sbopkg que baixa pacotes do  https://slackbuilds.org/ para você e os compila, mas o mesmo não resolve dependências caso houve cancele a continuação e anote a dependência exibida, depois pesquise no sbopkg o nome da dependência; achou baixe a mesma e volta a compilar o programa principal com o mesmo comando e caso houve mais outra dependência repita o mesmo procedimento até quando não houver mais dependências a compilação do programa principal será feita com sucesso.


Acesse https://www.sbopkg.org/downloads.php e faça donwload do pacote: sbopkg-0.38.0-noarch-1_wsr.tgz.

https://github.com/sbopkg/sbopkg/releases/download/0.38.0/sbopkg-0.38.0-noarch-1_wsr.tgz

Esta versão trabalha exclusivamente para  o Slackware 14.2.
Caso você esteja usando a versão 14.1, basta alterar o arquivo /etc/sbopkg/sbopkg.conf e trocar 14.2 por 14.1 na linha REPO_BRANCH=${REPO_BRANCH:-14.2}

$ sudo installpkg sbopkg-0.38.0-noarch-1_wsr.tgz

Agora devemos baixar a lista de pacotes mais recentes disponíveis atualmente:
$ sudo sbopkg -r

Pesquisar um pacote para baixar

$ sudo sbopkg -g Abiword  (na pesquisa não é feita distinção de maiúscula e minúscula)
Searching for Abiword
Found the following matches for abiword:
office/abiword

Baixar e deixar o sbopkg fazer a compilação automática

$ sudo sbopkg -i abiword (para baixar é necessário que esteja na forma exata que é listado na pesquisa).


Para ajuda:
$ sudo sbopkg --help


Completando o Slackware com alguns programas essenciais

Os pacotes abaixo pode ser baixado pelo sbopkg facilmente pois o mesmo não tem dependências, baseado na instalação em tipo FULL que eu fiz.

$ sudo sbopkg -i galculator      (calculadora bonita com  o modo cientifico)
$ sudo sbopkg -i volumeicon (botão de volume de som, configure e mesmo e coloque para iniciar junto com o xfce)
$ sudo sbopkg -i zenity             (interface gráfica para scripts de shell)
$ sudo sbopkg -i catfish        (localizador de arquivos gráficos, pode-se integrar o mesmo ao thunar)
$ sudo sbopkg -i xarchiver       (programa gráfico para criar e abrir pacotes zip, rar, etc...)
$ sudo sbopkg -i p7zip       (compactador/descompactador de pacotes 7z para o terminal além de abrir outros formatos de pacotes)
$ sudo sbopkg -i xfce4-whiskermenu-plugin (um menu melhor que o padrão do sistema)
$ sudo sbopkg -i evince                                  (um visualizador de pdf muito bom)
$ sudo sbopkg -i leafpad                             (ótimo editor de texto ASCII puro gráfico, bom para editar arquivos de configuração)

Instalando o gestor de login gráfico lxdm

Se você habilitou o runlevel 4 para login gráfico o xdm não oferece opção para carregar outro gestor de janelas diferente do padrão do xfce caso você venha instalar mais tarde, então vamos instalar o lxdm.

$ sudo sbopkg -i lxdm

Agora devemos ativar o lxdm para ser utilizado como padrão editando o arquivo /etc/rc.d/rc.4

$ sudo nano  /etc/rc.d/rc.4

Comente todas as linhas referentes ao XDM que está instalando e acrescente após a mesma na forma disposta aqui a parte do lxdm.

# If all you have is XDM, I guess it will have to do:
#if [ -x /usr/bin/xdm ]; then
#  exec /usr/bin/xdm -nodaemon
#elif [ -x /usr/X11R6/bin/xdm ]; then
#  exec /usr/X11R6/bin/xdm -nodaemon
#fi

# If all you have is LXDM, I guess it will have to do:
 if [ -x /usr/sbin/lxdm ]; then
    exec /usr/sbin/lxdm
  fi

Quando você reiniciar o computador o lxdm será o seu novo gestor de login gráfico, muito mais bonito e melhor que o xdm.

Um detalhe como você tem os windows managers wmaker e blackbox instalado no sistema, normalmente eles não fazem parte dos menus do gestor de login gdm, lxdm, kdm etc.. no Slackware pois o mesmo não vem com um arquivo .desktop para exibir os nomes dos mesmos no menu do gestor de login, não tendo como utilizar a interface deles neste caso no runlevel 4.

Para colocar os mesmos no menu devemos entrar no diretório /usr/share/xsessions/.

Agora vamos criar um arquivo .desktop para os mesmos ser listando no menu do lxdm, que servirá também para outros futuros gestores de login gráfico que você vier a instalar mais tarde.

$ sudo nano wmaker.desktop

[Desktop Entry]
Encoding=UTF-8
Comment=Lançador para o gerenciador de janelas Window Maker
Name=Window Maker
Exec=/usr/bin/wmaker
Type=Application


$ sudo nano blackbox.desktop 
[Desktop Entry]
Encoding=UTF-8
Comment=Lançador para o gerenciador de janelas Blackbox
Name=Blackbox
Exec=/usr/bin/blackbox
Type=Application

Pronto, agora basta você sair da sua sessão do Xfce, retornando para o lxdm e escolher o item Blackbox ou Window Maker para iniciar estes window managers.

Se você deseja personalizar o lxdm em uma janela de terminal execute:
$ sudo  lxdm-config


Os pacotes abaixo tem algumas dependências e devem ser instalados pelo sbopkg  na ordem citada aqui para o processo de compilação não ser interrompido no programa principal.

Instalando o gksu

Faça nesta ordem que são as dependências antes do programa final.
$ sudo sbopkg -i libgtop
$ sudo sbopkg -i libgksu
$ sudo sbopkg -i gksu

Instalação do xfburn (gravador gráfico de CD/DVD/Blu-ray)

$ sudo sbopkg -i libburn
$ sudo sbopkg -i libisofs
$ sudo sbopkg -i xfburn

Nota:
A versão do xfburn do Slackware 14.2 já suporta mídia de blu-ray.

Instalando o conky (monitor do sistema para desktop)

$ sudo sbopkg -i libaudclient
$ sudo sbopkg -i conky


Instalando o Firefox, Thunderbird, LibreOffice em português

Para este procedimento vamos baixar os mesmos diretamente do site oficial dos mesmos.

Acesse os sites abaixo e faça download da versão mais recente:

https://www.mozilla.org/pt-BR/firefox/new/
https://www.mozilla.org/pt-BR/thunderbird/

Para ter os atalhos dos mesmos no grupo Internet e ícones antes de remover os atuais faça o procedimento abaixo pois eles serão automaticamente removidos ao desinstalar o Firefox e Thunderbird que vem com o Slackware:

$ sudo cp -v /usr/share/icons//hicolor/32x32/apps/thunderbird.png  /usr/share/icons/
$ sudo cp -v /usr/share/icons//hicolor/32x32/apps/firefox.png  /usr/share/icons/

$ cp /usr/share/applications/mozilla-firefox.desktop /tmp
$ cp /usr/share/applications/mozilla-thunderbird.desktop /tmp

Após baixado o Firefox e Thunderbird faça:
$ sudo tar -xjvf firefox-versão.tar.bz2 -C /usr/local/
$ sudo tar -xjvf thunderbird-versão.tar.bz2 -C /usr/local/

Depois dentro de /usr/local/bin vamos criar um link para os executáveis no path faça:
$ sudo ln -s /usr/local/firefox/firefox
$ sudo ln -s /usr/local/thunderbird/thunderbird

Convém testar se a versão baixada funcionará antes de remover as que vem junto com o seu Slackware, entrando diretamente no diretório /usr/local/bin e executar desta forma:
$ ./firefox
$ ./thunderbird

Ser ambos funcionarem perfeitamente você pode remover tranquilamente os pacotes do Firefox e Thunderbird que vem junto com o Slackware.

$ sudo removepkg mozilla-firefox
$ sudo removepkg mozilla-thunderbird

Agora copie os arquivos mozilla-firefox.desktop e  mozilla-thunderbird.desktop  que estão em /tmp para /usr/share/applications/.

Devemos colocar o caminho dos ícones do Firefox e Thunderbid editando a linha Icon de cada arquivo correspondente dos mesmos.
$ sudo nano /usr/share/applications/mozilla-firefox.desktop
Icon=/usr/share/icons/firefox.png

$ sudo nano /usr/share/applications/mozilla-thunderbird.desktop
Icon=/usr/share/icons/thunderbird.png

Pronto, a atualização é na hora em seu menu de programa e não precisando sair do xfce.


Instalando o LibreOffice em português do Brasil

Acesse o site https://pt-br.libreoffice.org/baixe-ja/libreoffice-novo/ e baixe pelo navegador ou use o wget para isto.

http://download.documentfoundation.org/libreoffice/stable/5.1.4/rpm/x86/LibreOffice_5.1.4_Linux_x86_rpm.tar.gz

http://download.documentfoundation.org/libreoffice/stable/5.1.4/rpm/x86/LibreOffice_5.1.4_Linux_x86_rpm_langpack_pt-BR.tar.gz

http://download.documentfoundation.org/libreoffice/stable/5.1.4/rpm/x86/LibreOffice_5.1.4_Linux_x86_rpm_helppack_pt-BR.tar.gz


Após baixado:
$ tar -xzvf LibreOffice_5.1.4_Linux_x86_rpm.tar.gz  (pacote principal)
$ cd LibreOffice_5.1.4.2_Linux_x86_rpm/RPMS/
$ sudo rpm -ivh --nodeps *.rpm

No final da instalação será exibido o erro abaixo, ignore.
mkdir: é impossível criar o diretório “/usr/share/icons/hicolor/index.theme”: Não é um diretório
/usr/bin/update-desktop-database
/usr/bin/update-desktop-database

Para testar a versão do LibreOffice funcionará agora, acesse o menu Escritório.
Devido ao erro após a instalação os ícones do LibreOffice no grupo Escritório ficaram muito grande,  faça o procedimento abaixo: 

No terminal então eu fiz:
$ sudo gtk-update-icon-cache

Depois basta fazer um novo  login do seu usuário e os ícones do LibreOffice estarão com o tamanho  normal no grupo Escritório.

Agora vamos para a segunda parte para instalar a ajuda offline e a tradução para o português do Brasil.

$ tar -xzvf LibreOffice_5.1.4_Linux_x86_rpm_helppack_pt-BR.tar.gz 
$ cd LibreOffice_5.1.4.2_Linux_x86_rpm_helppack_pt-BR/RPMS/
$ sudo rpm -ivh --nodeps libobasis5.1-pt-BR-help-5.1.4.2-2.i586.rpm 

$ tar -xzvf LibreOffice_5.1.4_Linux_x86_rpm_langpack_pt-BR.tar.gz
$ cd LibreOffice_5.1.4.2_Linux_x86_rpm_langpack_pt-BR/RPMS
$ sudo rpm -ivh --nodeps *.rpm


Thunar com partições no disco

No Thunar sempre tem que digitar a senha de root para o usuário comum poder montar as outras partições do disco rígido para acessá-las a partir da sua área de trabalho ou na barra lateral do Thunar, caso você não adicionou elas durante o processo de instalação do sistema; já para pendrive, Cds/DVDs/Blu-ray não precisa entrar com a senha.
A senha do seu usuário configurado para o sudo não serve para montar as partições, tem que ser a do root. 

Para não precisar digitar a senha ao dar um duplo clique nos ícones nas partições do seu HD para montar a mesma que estão na área de trabalho ou no painel esquerdo do Thunar, basta adicioná-las ao arquivo /etc/fstab criando também um ponto de montagem para as mesmas em /mnt.

Exemplo:
Os exemplos abaixo são referente ao meu particionamento ajuste conforme o seu.
Em /mnt crie os diretórios dados win home

$ cd /mnt
$ sudo mkdir dados win home

Agora no arquivo /etc/fstab você adicionas as linhas referentes as partições com o ponto de montagem e sistema de arquivos onde as mesmas serão montadas automaticamente no boot.
Eu costumo sempre usar na forma antiga que é a minha preferida ou use a nova forma por  UUID usando o blkid para saber qual é o  UUID da partição para colocar no lugar do device da partição.

/dev/sda3 /mnt/dados ext4 auto,rw,users 0 2
/dev/sda1 /mnt/win ntfs-3g umask=000 0 0
/dev/sda7 /mnt/home ext4 auto,rw,users 0 2

Com isto você poderá criar, editar e deletar arquivos na partição no ponto de montagem, mesmo que o dono e grupo seja root.root, mas um detalhe que dentro do ponto de montagem a mesma devem ter permissão de gravação para os users ou os subdiretórios existente abaixo dela.


Adicionando o repositório do Salix 14.2 no slapt-get

O Salix 14.2 é feito a partir do Slackware 14.2 e tem um monte de utilitários que não faz parte dos repositórios oficiais dos diversos mirrors para o Slackware, mas aviso que pode haver certa incompatibilidade com alguns programas ou libs já que as distros derivadas podem fazer suas personalizações próprias em alguns pacotes, principalmente pacotes de configurações e drivers, portanto faz por sua conta e risco. 
Eu por exemplo instalei vários utilitários como ffmpeg, abiword etc e não houve problemas funcionando perfeito instalando todas as dependências automaticamente.

Nota:
Vale lembrar que o repositório oficial do Salix 14.2 ainda não tem muitos pacotes já que o mesmo é recente e não existe ainda uma versão final estável do ISO do Salix 14.2 para download, pois o mesmo foi criado ainda na fase beta1 do Slackware 14.2 se não me engano e até o momento da publicação deste tutorial não existe no site oficial do Salix a versão final estável do Salix 14.2 para baixar.

Para adicionar o repositório do Salix 14.2 edite o arquivo /etc/slapt-get/slapt-getrc.
$ sudo nano -w /etc/slapt-get/slapt-getrc

Adicione a seguinte linha no final de # Source for slapt-get.
SOURCE=http://slackware.uk/salix/i486/14.2/

Agora devemos atualizar a base de dados:
$ sudo /usr/sbin/slapt-get -u

Foi exibido um erro de Verificando assinatura por soma [http://slackware.uk/salix/i486/14.2/]...Sem chave para verificação para o diretório do Salix, então devemos adicionar a chave de verificação e após atualizar novamente a base de dados.

$ sudo /usr/sbin/slapt-get --add-keys
$ sudo /usr/sbin/slapt-get -u

Pronto repositório adicionado sem erro agora, agora basta pesquisar pelo programa desejado que você quer instalar.

Conclusão:
Ufa apesar do trabalhão que deu para configurar o sistema, agora você já está com um conhecimento melhor e mais hábil do sistema e este conhecimento será muito útil não só no Slackware bem como qualquer outra distro Linux quando você enfrentar alguma dificuldade, apesar de algumas configurações serem diferente em outras distros, muita coisa postada aqui pode ser utilizada em qualquer distro.


Veja quanta coisa você aprendeu a fazer diretamente via terminal que poderá ser útil em qualquer outra distro:

Criar usuário em modo texto com o comando  adduser.
Criar grupo de programa.
Adicionar e listar um diretório no path.
Personalizar o terminal.
Criar alias
Descompactar pacotes .bz2 com o tar.
Criar link simbólico com o ln.
Copiar arquivos com o cp.
Adicionar partições no arquivo /etc/fstab.





5 comentários:

  1. Eu recomendaria também o sbotools para o gerenciamento de slackbuilds. http://pink-mist.github.io/sbotools/ ele tem a vantagem de resolver dependências dos slackbuilds.

    ResponderExcluir
  2. Valeu. Já gosto com KDE.

    Mas não instalo "full" .. preciso personalizar no menu KDEI a instalação para português. Mais fácil.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o tutorial, e obrigado você me salvou.

    ResponderExcluir
  4. Valeu Anderson Inacio, fico feliz que o tutorial tenha
    lhe ajudado.

    ResponderExcluir
  5. Boa noite. No meu caso o sbopkg não funcionou, nem abriu.
    votos de muita paz.
    no jequi tem onha

    ResponderExcluir